Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mães mais que [im]perfeitas

Amamentação

Cá está ele, o tema que tanto arrancar de cabelos desencadeia nas mães. Esteve ali uma porrada de tempo nos rascunhos, mas lá decidi que veria a luz do dia.

Não sou, nem pretendo ser, conselheira de amamentação, mas tal como eu com certeza muitas terão as mesmas dúvidas, os mesmos receios, ouvirão as mesmas opiniões daqui e dali sem saber a qual dar ouvidos. Pois bem, o que fiz aqui é uma compilação das minhas dúvidas, daquilo que aprendi e porque fez sentido para mim seguir alguns conselhos.

Volto a frisar: fez sentido para mim. Ninguém é igual, o que me faz sentido pode ser totalmente descabido para outra pessoa.

Avancemos que se faz tarde.

A amamentação deve ser livre de horário

Após algum receio inicial, por ser mãe de primeira viagem e coisa e tal, mais o medo que o leite não chegasse para o puto, dei de caras com esta afirmação. Acenei que sim, que faz sentido. O miúdo estava habituadinho à boa vida, a não ter que mexer uma palha para se alimentar, ainda mal sabia que tinha nascido e já lhe tentava impor um relógio? Nah, esqueci as horas, se chorava e me parecia fomeca, toca a alimentar o fedelho, mesmo que ainda faltassem 60 minutos para a próxima refeição.

Além do livre horário, deve ser na quantidade e durante o tempo que o bebé quiser

Mais uma afirmação que me fez todo o sentido, quer pelo já enumerei anteriormente - o estar habituado a uma vidinha santa - quer pelo facto de saber que o leite se altera durante a mamada. Surpreendidos? É verdade, o leite não é sempre igual: numa primeira fase é mais líquido, mais aquoso para saciar a sede. Só depois dá lugar a um leite mais espesso e rico em nutrientes que irão engordar - assim se espera - a cria. Se alguma vez tirarem leite com a bomba, vão ver isso mesmo: o primeiro leite jorra com muito mais facilidade, já o segundo às vezes é uma valente seca. Se deixarem o recipiente a repousar um par de horas, verão que há uma separação de líquidos, o mais líquido em cima, o mais espesso em baixo.

Para além disso, ninguém gosta que lhe diga "só tens 10 minutos para te alimentar. Despacha-te.", pois não?

O corpo regula a quantidade e qualidade de leite que o bebé precisa

Se há máquina perfeita neste mundo é o corpo humano. O da mulher então é qualquer coisa de extraordinário. Há medida que o bebé vai mamando, o organismo vai percebendo, ajustando e regulando a quantidade de leite produzida. Não é fantástico? E faz sentido, porque a necessidade de um recém nascido não será igual à de um  bebe com dois meses.

 Não há leites fracos

Aqui está aquilo que nos divide a a mente, nos provoca as maiores dúvidas e nos faz correr à farmácia mais próxima em busca de suplemento para o esfomeado. A verdade é que não há leites fracos. O leite inicial - aquele que jorra mais facilmente - é o primeiro a sair, levando muitas mães a acreditar que a textura aguada é sinónimo de fraqueza nutricional. Nada mais errado. Quando essa primeira "fornada" termina, começa o leite mais espesso. É importante reter que o leite vai mudando, mesmo durante a própria mamada. Portanto, não se preocupem tanto com o aspecto, mas antes com a aparência da vossa cria. Parece-vos saciada? Então é porque está. O que verdadeiramente conta são os gramas, os valores de peso, é esse o verdadeiro indicador de que a amamentação está a resultar. 

babies-921037_1920.jpg

 

Acima de tudo: não se preocupem tanto. Os primeiros meses são muito exigentes, há toda ou uma rotina - ou ausência dela - a aprender. É tudo novo, para eles e para vocês. Deixem que o vosso instinto vos guie, deixem que as coisas aconteçam naturalmente. O bebé sossega na mama, nem sempre porque tem fome, pode ser cólicas, pode ser o conforto... Não se preocupem com as manhas e vícios. Um recém nascido nas os tem, nem os adquire tão cedo. 

Acima de tudo, mantenham isto na vossa mente: não é o leite que vos define enquanto mãe. Não é por pegarem num biberão de suplemento que são menos mães. Façam o que for melhor para vocês e não só para o bebé. Em nada é benéfico para o vosso filho ser amamentado por uma mãe com uma numa pilha de nervos ou a chorar com dores. Se se fartarem, esqueçam e passem para outra. Sem grandes dramas, nem culpas. Não é por isso que vão ter que ir com ele ao psicólogo aos seis anos. 

Claro que para mim é fácil falar: tive uma amamentação muito fácil que prolonguei até aos 13 meses do Caracolinho, altura em que comecei o desmame. Mas sempre pensei assim. Nem faz sentido ser outra forma, como iríamos aproveitar este pedacinho tão curto da existência deles, entre lágrimas, frustrações e dor? Não faz sentido. Desfrutem ao máximo, com mama ou com biberão. É um tempo que não volta, não faz sentido desperdiça-lo com dramas. 

E por aí, como correu esta experiência?

 

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Header original da Mula com ilustrações de Inslee Haynes e Emily Donald

Mais sobre mim

foto do autor

Sapos do Ano 2017

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D